Vereadores solicitam inclusão de Capão Bonito em consórcio que visa compra de vacinas contra coronavírus

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

A Câmara Municipal de Capão Bonito protocolou ofício junto à Prefeitura Municipal solicitando a inclusão do município em consórcio nacional que visa a compra de vacinas contra a Covid-19, organizado pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP).

O ofício foi assinado por 12 vereadores: presidente Paulo Cecap (PP), vice-presidente Josiel Baitaca (PL), primeira secretária Camila Camargo (PP), segundo secretário Neto Tallarico (PL), Alan Senciatti (PSD), Lu da Ong (PSL), Zé Carlos da Cooperativa (PP), Rafael do Abner (PSL), Valdeci (PODE), Fio Londrina (PSD), Daan Cabeleireiro (PSDB) e Dr. Hélio Yukio (PODE).

Nesta quarta-feira (03/03), o vereador Neto Tallarico entregou o ofício em mãos ao prefeito Júlio Fernando (PODE) e explicou a importância de cadastrar Capão Bonito no consórcio. “Com a articulação e união de Prefeituras, maiores são as possibilidades de Capão Bonito conseguir adquirir vacinas para aplicar em nossa população, pois as cidades terão segurança jurídica e ganho de escala para negociar preços e prazos”, argumentou o vereador.

Segundo Tallarico, o prefeito Júlio Fernando garantiu que fará a adesão ao consórcio.

Sobre o consórcio

O consórcio de municípios para compra de vacinas contra a covid-19 já teve manifestação de interesse de 649 prefeituras, segundo a lista divulgada hoje (03/03) pela Federação Nacional de Prefeitos (FNP). A iniciativa foi lançada na segunda-feira (1º) em uma reunião com cerca de 300 prefeitos.

As administrações municipais podem assinar o termo de intenção do consórcio até sexta-feira (05/03). A previsão é que a associação seja efetivamente instalada até o dia 22 de março. Deve ser ainda elaborado um modelo de projeto de lei para ser enviado às câmaras municipais para que as cidades participem das compras.

A FNP afirma que irá negociar com laboratórios distintos dos que atenderão ao Ministério da Saúde, como uma forma estratégica de garantir imunizantes, caso o atendimento ao PNI “seja declarado ineficaz”.