Neto Tallarico apresenta projeto de lei para que Carteira do Autista seja disponibilizado em Capão Bonito

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

Carteira foi estabelecida por lei federal, mas ainda não é oferecida no município

O vereador Neto Tallarico (PL), apresentou o projeto de lei nº 0004-2021, na sessão ordinária da Câmara Municipal de Capão Bonito desta segunda-feira (15/02). O projeto, que foi aprovado por todos os vereadores e seguirá para a promulgação e regulamentação da Prefeitura, dispõe sobre a criação e disponibilidade da carteira de identificação do autista para a pessoa diagnosticada com transtorno do espectro autista, no âmbito municipal.

De acordo com o vereador, a carteira foi estabelecida nacionalmente, por meio da lei federal nº 13.977, de 2020, mas em Capão Bonito o benefício ainda não foi regulamentado. “Por isso apresentei esse projeto de lei. Sei que já existe essa lei federal, mas para que seja implantado em nossa cidade, com a disponibilidade do setor e local responsáveis, precisamos instituir a lei municipal”, explicou.

Conforme ainda alegou o parlamentar, o objetivo do projeto é que Capão Bonito se adeque às normas federais e apoie as famílias e pessoas com autismo, que terão direito à carteira gratuita, de acordo com a documentação que também será regulamentada e exigida através da lei.

“A intenção é de garantir os direitos às pessoas com autismo e suas respectivas família, por meio de apoio e auxílio, como na prioridade em filas de estabelecimentos públicos e privados. Queremos assegurar que esses locais estejam preparados para atendê-los “, acrescentou.

Tallarico ressaltou também que o projeto de lei foi idealizado a partir de consultas a especialistas da Educação Especial, que conhecem a fundo a realidade e algumas dificuldades apresentadas às famílias com integrantes com autismo, que podem ter mudanças de comportamento de forma repentina e as pessoas ao redor podem não entender o que está acontecendo. “A prioridade é prestar esse suporte digno e justo às pessoas com autismo e suas famílias e que acabe qualquer forma de constrangimento”, completou.