Neto Tallarico cobra novamente retorno dos kits de alimentos da Educação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email

O vereador Neto Tallarico (PL) cobrou mais uma vez o retorno da entrega dos kits de alimentos da Educação às famílias dos estudantes das escolas públicas municipais em situação de vulnerabilidade social, enquanto não retornam as aulas presenciais.

Na sessão desta segunda-feira (22/03), Tallarico, em explicação pessoal, ressaltou que está desde o mês de janeiro solicitando a distribuição desses kits, devido a preocupação pela falta da merenda escolar para as crianças e adolescentes do município e também às dificuldades financeiras que muitas famílias passam por conta da pandemia de coronavírus.

“Infelizmente muitas pessoas estão passando por grandes dificuldades e a falta da merenda traz ainda mais gastos com alimentos nas casas. O poder público tem a obrigação de auxiliar e distribuir os kits a essas pessoas, pois a merenda não está sendo oferecida”, declarou.

O vereador visitou, recentemente, a Cozinha Central e conversou com responsáveis pelo setor da Licitação, para averiguar o por quê de os kits de alimentos ainda não terem sido disponibilizados pela Secretaria.

“Recebi a informação de que ainda não foi possível realizar a licitação para comprar os produtos, mas já se passaram quase três meses, acredito que é um tempo mais do que suficiente para abrir um processo licitatório”, alegou.

Além da falta dos alimentos aos estudantes e às famílias, Tallarico destacou ainda que sem a entrega dos kits, o trabalho dos agricultores familiares de Capão Bonito também está sendo diretamente prejudicado. “Os agricultores precisam realizar essas entregas à Prefeitura para melhorarem as suas rendas. Alguns responsáveis pelo setor me procuram, preocupados com a situação”, disse o vereador.

Neto Tallarico assegurou que seguirá cobrando essa ação do município, para atender e apoiar as famílias em situação de vulnerabilidade e também o setor da agricultura familiar de Capão Bonito.

Kits de alimentos são essenciais para suprir, ao menos em partes, a falta da merenda escolar, enquanto as aulas presenciais não retornam